Ninguém, Sujeito Indefinido

A história não contada do Cigano Rei

(14 avaliações de clientes)

R$88,13

Autor(a): Aquiles Guedes Rapassi
Ilustrador(a): Luis Guilherme Trevisani
Saiba mais sobre o(a) autor(a): uiclap.bio/aquiles

Prazo de produção: até 7 dias úteis
REF: ut21150 Categorias , , ,

Sinopse

Em um Brasil de contraventores, em um país onde o abuso é a lei e o crime é bom-dia, na terra da molecada da caixa baixa, qual é a história que não se conta?
Pietro Buonavita narra uma vida comum às pessoas comuns, assim como a face oculta que é familiar aos que andam nas sombras. Os personagens demonstram que têm coragem, de fato, e poder de constranger. Subversivo. Um romance policial na bela Maceió que tem muito a mostrar e um bom tanto a esconder. Não foi o amor proibido, não foram os ilícitos, não foi o cão falecido. Há um mito, e ele é perverso. Seu pecado? Quase todos, menos o de cair nas mãos da lei.
Pietro Buonavita é um personagem fictício construído a partir do encaixe de diversas identidades com as quais o autor interagiu por suas andanças pelo mundo. A mulher por quem se apaixona, também fruto de ficção, é uma fértil parreira carregada com uvas maduras geradas pelo amor clandestino. Faz-se um vinho com todas as nuances de uma história que parece não ter fim, nem regras ou razão. São coisas do coração.

Informações adicionais

Peso 0,9997295 kg
Dimensões 15,4 × 23 × 3,77 cm
Nº Páginas

734

Capa

Fosco, SEM orelha

Data da Publicação

09/08/2022

Impressão

Preto e Branco (Papel Offset)

Tamanho

Editora

Autor(a)

Faixa Etária Recomendada

Adulto (maiores de 18 anos)

Ilustrador(a)

Ranking

14 avaliações para Ninguém, Sujeito Indefinido

  1. cemlivros

    Livro perfeito no qual acompanhamos a vida do personal trainer Pietro Buonavita, que além de ser jovem e solteiro, é descrito como muito bonito. Ele se mudou recentemente para Maceió e após fazer algumas amizades começa frequentar festas, viajar e claro, ter muitas mulheres em sua vida….será que ele vai se apaixonar por alguma delas?
    O que eu mais gostei no livro foi acompanhar os pensamentos do personagem principal acerca das pessoas, da vida, dos costumes brasileiros, ele é muito inteligente, irônico, e até ácido, o que por vezes o torna engraçado. Eu ri muito com esse livro. Ah, muito e eu me identifiquei também!
    Se você gosta de Nietzsche, Bukowski…com certeza você irá amar esse livro! Queria dar 10 estrelas. Recomendadíssimo!

  2. Ana carolina Vasconcelos (comprador verificado)

    Pietro Buonavita é daqueles personagens que a gente acha que já conhece mesmo com uma personalidade fora do comum. E é justamente isso que encanta e faz com que as páginas sejam devoradas em velocidade estrelar. Um autêntico amigo bon vivant e sentimental que quebra todas as regras sociais e traz um suspiro de vida intensa. Acompanhar suas histórias cheias de aventuras e muita sorte, nos faz acreditar que o universo realmente conspira a favor quando se tem sede de viver. Uma leitura divertida, inteligente, sedutora e cheia de ironias que nos fazem questionar nossos próprios limites. O mundo de Pietro é devorado fácil e levemente, uma leitura com cara daquelas séries que a gente não quer deixar pra assistir amanhã.

  3. rubensbneto

    Impactante, desde a primeira linha. Com uma narrativa muito bem elaborada e com desdobramentos surpreendentes, o romance de estreia de Aquiles Rapassi é uma obra necessária para todo bom leitor. É muito fácil se envolver com as peripécias de Pietro Buonavita, um anti-herói cheio de sagacidade, que te leva pra dar um passeio na “sua” Chernobyl, chamada Maceió. Os toques ácidos de realidade no meio dessa trama ficcional transformam o livro numa surpreendente arma contra a caretice social, além de um belo soco no estômago dos mais desavisados. Impossível parar de ler, impossível não se tornar o melhor amigo do Cigano Rei.

  4. Suelen Cristina Girotto

    Eu amei ler essa história maluca de uma pessoa que tinha tudo para levar uma vida “normal”, mas escolhe o contrário das regras morais, religiosas, profissionais e até legais que nos é imposto como o “correto”. Sem limites, Pietro Buonavita vai vivendo a vida como se fosse o último dia e assim, as páginas desta longa obra, se vão rapidinho. Super recomendo a leitura!

  5. Dieggo Melo

    “Ninguém, sujeito indefinido” é um livro sobre todos nós. É uma jornada de autodescoberta e desprendimento de valores comuns da sociedade e encontro com o que há de mais íntimo e cru em um ser humano. Valeu muito a pena acompanhar a viagem de Pietro e seus subterfúgios. Ao final fica uma sensação recompensadora pela identificação que a narrativa envolvente produz no leitor. Excelente!

  6. vilanova.wanessa

    Apaixonada por esse livro e já ansiosa pelo segundo. Agiliza aí, Aquiles.
    Uma leitura fluida, viciante. Uma história de muitas paixões, várias aventuras e de um amor impossível.
    Causa um mix de sentimentos e definitivamente a vontade de ler mais

  7. Danusa Rangel

    Um dos livros mais incríveis e cômicos que já li!
    Nele o autor mostra os pontos fracos de todos nós com sacadas geniais , sádicas e de humor ácido. Nos faz refletir sobre a vida, sobre as bolhas em que vivemos e sobre nossa própria existência .
    Uma leitura deliciosa do começo ao fim ( diga-se de passagem que esse fim é surpreendente !)
    Super recomendo! ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️

  8. Leonardo Corder

    Nessa obra acompanhamos a incrível jornada de Pietro Buonavita e nos encontramos, nós mesmos, em uma jornada de questionamento da vida no mundo moderno, dos costumes da sociedade e dos alicerces morais.
    Um livro de leitura fácil, porém longe de ser banal, temperado com poesia. As horas passam sem que se note. Em “Ninguém, Sujeito Indefinido” o leitor se transforma com a personagem e, ao término, já não é mais o mesmo quando começou.

  9. Erica Valenti (comprador verificado)

    Narrativa incrível, envolvente…o leitor se emociona e reflete junto. É uma viagem de auto conhecimento junto com Pietro Buonavitta. Me proporcionou altas risadas, fortes emoções e muitas reflexões.
    Recomendo demais!!!!!

  10. Mikhail Rossi (comprador verificado)

    Leitura excelente! Livro que prende o leitor do início ao fim! 2 dias para ler tantas páginas cheias de conteúdo de tirar o sono e seguir na leitura. Viciante! Pietro Buonavitta , aguardando o próximo!!!

  11. Suamy Malta (comprador verificado)

    Que livro!

    Do começo ao fim me prendendo, me fazendo perder o tempo, o sono e até o ponto de ônibus!
    Tão envolvente que segurei os últimos capítulos porque não estava preparada para me despedir do Pietro.
    Um cara que me fez rir, me deixou triste, me emocionou, arrancou lágrimas e, me deixou com vontade de colocá-lo no colo.
    Mas, o melhor de tudo, foi que ele me despertou a vontade de viver tudo aquilo com ele! Onde ele ía eu queria estar, queria ver, saber mais, ouvir mais!
    Quantas história ele não contou?
    Espero que ele volte, vai me fazer muita falta!

    Aquiles tem uma escrita elegante, gentil consigo e com todos, doce, cuidadosa. Uma escrita que foi fiel do início ao fim, confortável e envolvente. Pude dar rosto a cada personagem, alguns quis conhecer, outros quis distância. Tudo que senti foi graças ao seu jeito de escrever e passar tudo com tanta verdade!

    Parabéns pela obra!
    INCRÍVEL!

  12. Luiz Argentin Neto (comprador verificado)

    Tive o privilégio de conhecer o autor na nossa adolescência, na escola. Aquiles se destacava por sua estatura ser diretamente proporcional a sua cordialidade.
    Vi muito de sua personalidade nessa história. Mas vi muito da minha também. E da de outros amigos também! Tá todo mundo nela! E ninguém também.
    Um livro escrito com maestria que nos desperta várias emoções, dentre elas muitas risadas e ansiedade pra ler mais uma página.
    Sem sombra de dúvidas, é o melhor livro que li esse ano e um dos melhores que já li.
    Pietro tem muito a ensinar, mas muito a aprender também. Digo isso porque dessa… Dessa, ninguém escapa!

  13. Cilene Resende Manzato

    O primeiro romance publicado de forma independente pelo autor conta a história de
    Pietro Buonavita, que muito bem poderia se chamar buonavitas.
    Pietro é pura energia, e ele a consome dançando com o destino e transando com muitas mulheres (com homens não; e não que faltasse oportunidade).
    Por outro lado, aprofundar os relacionamentos, não era a sua praia, até porque, os mais longos – menos curtos, talvez seja o mais correto a se dizer – terminavam de forma muito perigosa!
    Por ironia do destino, um personagem extremamente inteligente, que tem uma leitura exata e debochada da vida, Pietro, que é um “entendido de tudo”, não entendeu muito bem a mulher pra quem ele, por fim, perdeu o seu coração (não, “entregou” não seria o melhor verbo pra esse caso). Seus sentimentos, dessa vez, atrapalhavam o seu escorreito pensar.
    Em defesa de Juventina, a grande paixão que fez surgir o Cigano Rei, ela foi sincera quando lhe revelou o maior medo que carregava: viver sem luxos. Ela era gananciosa, necessitada de status, dinheiro e era isso a governava, não o amor.
    Triste, mas nem perto de terminar por aí.
    Com uma escrita fluida, de sentenças curtas, como a velocidade do pensamento do narrador, esse romance de 700 páginas terminou mais rápido do que eu gostaria. Os capítulos são curtinhos; os subtítulos são engraçados (me lembrou Percy Jackson por algum motivo), e você pensa que vai ler só mais um, mas acaba lendo só mais 10.
    Quem não gosta de livros que contêm aventura; romance; sexo; crime; drogas, reflexões existenciais, críticas sociais e muitas, muitas viagens?
    A história do Cigano Rei é tanto fictícia quando verídica. Ela é possível; ela é crível. Pode ser cotidiana mas não pra todos, pode ser chocante mas não pra todos, pode ser altamente identificador. Encantei-me, no entanto, foi com a escrita, porque a narrativa desafia o limite entre organização e caos, além de ser perspicaz e irônica.

    Grifei (porque ri, porque achei bonito ou por algum motivo que esqueci de anotar):

    “Eu queria realizar o bendito sonho de conhecer a República Tcheca, beber pilsen e assistir ao pôr do Sol na Charles Bridge. A minha conta bancária não pensava da mesma forma.”

    “(…)éramos feitos à imagem e semelhança dos anjos perversos que brincam nas nuvens e dormem nos buracos ocos das árvores.”

    “A gente acende a luz, mas quem pode garantir que as pessoas abrirão os próprios olhos?”

  14. Analice Gaspar Garcia (comprador verificado)

    Ler “Ninguém, Sujeito Indefinido: A história não contada do Cigano Rei” foi uma aventura! Uma leitura fluida e envolvente, como o próprio Pietro Buonavita. Ao longo da história, que vai ficando mais interessante ao passar das páginas, é possível se identificar com o Pietro e com suas reflexões sobre a vida, a sociedade e sobre ele mesmo. Uma história contada com boas doses de sarcasmo e sensibilidade que te surpreendem, às vezes quando menos se espera. Uma escrita passional que entrega o que um belo romance promete. Recomendo!

Faça o login para Avaliar
Ninguém, Sujeito Indefinido thumbnail

Ninguém, Sujeito Indefinido

R$88,13