Oferta!
Ciência Política  »  Relações Internacionais  »  Geral

O PAPEL DO CINEMA NA PROJEÇÃO DE PODER DO ESTADO

,

R$48,70

REF: ut202 Categoria

Sinopse

O cenário internacional foi marcado com inúmeras guerras como forma de detenção de poder. A partir da Segunda Guerra Mundial, diversos Estados começaram a se utilizar de uma outra modalidade de poder: o poder simbólico. Esse novo instrumento de poder está inserido na propagação de poder das agendas dos Estados, mas de uma maneira “sutil” Adolf Hitler foi um dos precursores juntamente com os Estados Unidos a se utilizarem desse mecanismo. Essa temática tem ganhado espaço nos debates das Relações Internacionais, dado isso esta pesquisa abordará como Hitler se utilizou de elementos audiovisuais para que a Doutrina Nazista pudesse ser vendida através do Documentário “O Triunfo da Vontade” de 1934 e em contrapartida o longa-metragem “A Conquista da Honra” de 2006, uma produção Hollywoodiana, é um exemplo de como até contemporaneamente, o uso desses elementos ainda são utilizados para que um Estado se mantenha em evidência no Sistema Internacional. É possível destacar o cuidado com o uso dos elementos estéticos visuais para que a mensagem política possa ser transmitida através do entretenimento. Com o discurso de Bourdieu (2010) sobre o Poder Simbólico é possível obter uma análise do contexto artístico do cinema, o qual é considerado um grande meio de entretenimento para a sociedade. No entanto pesquisas apontam que atualmente diversos países disseminam suas ideologias através de elementos simbólicos como filmes, tecnologia, discurso em veículos midiáticos entre outros como forma de manutenção de poder. Em síntese, a presente pesquisa buscou analisar (tanto pelo viés do discurso estético, quanto pela perspectiva das Relações Internacionais) o contexto histórico dos filmes propostos acordando com o conceito de Poder Simbólico descrito por Bourdieu (2010).

Informações Adicionais

Editora

Nº Páginas

130

Tamanho

16 x 23 cm

Autor(a)

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “O PAPEL DO CINEMA NA PROJEÇÃO DE PODER DO ESTADO”